quinta-feira, 15 de junho de 2017

VÍDEO - O Silêncio e a Campereada - Vencedora da 25ª Sapecada


“O Silêncio e a Campereada”
Letra: Sergio Carvalho Pereira
Música: André Teixeira e Ricardo Comassetto
Intérprete: Luiz Marenco

Recorro campo sozinho,
nem “carculo” a quanto tempo.
Quando em quando um assoviozinho
se vai perdido no vento.

Quietude nestas jornadas
e a alma não se machuca.
As vozes das invernadas,
sem silêncio, não se escuta.

O arroio canta pra pedra,
pra noite o grilo nochero,
o arado fala com a verga
e a estrela com o caborteiro.

Campo tem voz de porteira,
de retoço da manada,
tem vento que chama poeira
e o mormaço, a manga d’agua.

Chuva no poço da sanga,
rufar de pala de seda.
Canta o sabiá pra pitanga
e o angico pra labareda.

É lindo o ranger do arreio
no escurão da noite cega
e o vento sul de floreios
no encordoado das macegas.

Quieto, cruzando o potreiro,
quando a manhã se perfila,
passo escutando o barreiro
saudando um rancho de argila.

Guabiju!... Ariticum!...
Range o rodado e se foi...
A voz do homem comum
é o tempo chamando o boi.

Tropel em várzea encharcada,
mareta beijando a taipa.
Na aragem da madrugada
cruza um sussurro de gaita.

Com esse assovio antigo
e os cascos sonando o pasto,
meu mundo fala comigo
pelos fundões donde eu passo.

Não pense que eu sou sozinho...
Que são tristes os dias meus...
Ouço juras e carinhos
desses campos de meu Deus.

Recorro os campos solito,
nem “carculo” há quanto tempo.
Quando em quando um assoviozito
Se vai perdido no vento.

Quietude nestas jornadas
e a alma não se machuca.
As vozes das invernadas,
Sem silêncio, não se escuta.


VÍDEO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Nenhum comentário:

Postar um comentário